Arquivos

Secretário de Rosinha ataca gastos de Pezão com publicidade

No calor do debate da TV Globo, o secretário de Comunicação da Prefeitura de Campos, Sergio Cunha, replicou em seu perfil no Facebook uma crítica do senador Marcelo Crivella (PRB) ao governador Luiz Fernando Pezão (PMDB). Crivella citou números e afirmou que o governo Pezão estaria investindo muito com publicidade e pouco em saneamento. Empolgado, o secretário de Rosinha ainda emendou: “Pezão fake treme e se acovarda”. Na verdade, o candidato do PRB disse que os gastos do governo Cabral com Saneamento (R$ 330 milhões) era quase equivalente a verba para publicidade (R$ 309 milhões), em 2013. Porém, segundo o site Transparência RJ, o governo estadual gastou R$ 208 milhões com publicidade em 2013 (aqui).

Rosinha já gastou R$ 100 milhões - Se o governo Pezão gasta muito com propaganda, é bom lembrar que não precisamos ir muito longe para ver gastos deste tipo. Nos últimos seis anos o governo Rosinha Garotinho já gastou quase R$ 100 milhões com publicidade. Em agosto, três agências receberam recursos por conta de “serviços de publicidade”. Ao todo, foram R$ 2,1 milhões. Na visão da bancada de oposição na Câmara de Campos, tudo isso é aplicado na “maquiagem cor de rosa”.

Em Campos, publicidade supera Agricultura, Trabalho e Renda, Infância e Juventude, Esportes, Desenvolvimento e Inovação - Os gastos anuais de Rosinha com publicidade (R$ 15 milhões) superam muitas pastas da Prefeitura, como Agricultura (R$ 11 milhões), Trabalho e Renda (R$ 1,9 milhão), Fundação da Infância e Juventude (R$ 11 milhões), Fundação de Esportes (R$ 12 milhões), Empresa Municipal de Habitação (R$ 5 milhões), Petróleo e Inovação (R$ 620 mil), Desenvolvimento Econômico (R$1,2 milhão) e Defesa Civil (R$ 1,7 milhão). Foram levadas em considerações as previsões para 2015.

Calote - Mesmo com um dos maiores Orçamentos entre todas as secretarias da Prefeitura de Campos, as reclamações sobre falta de pagamentos são muitas. Diversos veículos que divulgam a propaganda oficial estão sem receber. Tem gente esperando há seis meses.

Para secretário, gastos de Rosinha não são altos - No início deste ano, ao comentar sobre os gastos do município com propaganda, Sérgio Cunha usou números e explicou que o Orçamento anual não é alto. “Campos gasta apenas 0,6% de seu Orçamento com divulgação, contra uma média normal da iniciativa privada de 2% de sua receita total. A prefeitura de Campos centraliza todas as despesas de divulgação na Secretaria de Comunicação, prevendo R$ 15 milhões por ano, o equivalente a 0,6% de seu Orçamento de R$ 2,5 bilhões, em 2014, sendo que estes valores são médias estimadas nem sempre atingidas em seu teto. Campos, com 500 mil habitantes, gasta menos em divulgação do que municípios vizinhos, como Macaé, com 200 mil habitantes, que em 2014 terá R$ 20,6 milhões para comunicação com um Orçamento de R$ 2,2 bilhões, o equivalente a 1% de sua receita total. A média de Campos é inferior a de São João da Barra, com 30 mil habitantes, que em 2014 destina 1,6% de suas receitas para divulgação, ou seja, R$ 6,7 milhões de um Orçamento total de R$ 398,7 milhões. A atividade de comunicação é vital para a sociedade e importante para a administração pública se relacionar com a população, com o setor gerando empregos locais e contribuindo com impostos e a arrecadação do município”, informou o secretário.

Preto no Branco – O blog “Preto no Branco”, do jornal “O Globo”, checou a informação de Crivella sobre os gastos do governo estadual com publicidade e afirmou que a informação foi exagerada. ”Gastou R$ 309 milhões em propaganda”, disse Crivella.

Segundo o site Transparência RJ, os gastos do governo do Rio com publicidade foi, por ano, o seguinte:

2011 – R$ 163.391.684,39
2012 – R$ 188.220.665,47
2013 – R$ 208.958.299,64
2014 – R$ 110.896.617,41

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Debate começa com propostas e termina com troca de farpas entre Pezão e Crivella

Apesar de terem firmado um pacto para evitar ofensas e ataques pessoais, os candidatos ao governo do Rio protagonizaram cenas bélicas, no último debate das eleições, exibido nesta quinta-feira (23) na Rede Globo. Um primeiro bloco mais ameno, em que a gestão do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e de se seu antecessor, Sérgio Cabral (PMDB), foi todo o tempo questionada por Marcelo Crivella (PRB), foi sucedido por outro, repleto de troca de acusações e de ofensas. O clima azedou quando Pezão chamou Crivella de mentiroso. Se referia a dados citados pelo senador sobre gastos de Saneamento no estado. O candidato do PRB dissera que os gastos do governo Cabral com Saneamento (R$ 330 milhões) era quase equivalente a verba para publicidade (R$ 309 milhões), em 2013. “O convívio com Garotinho está muito ruim. Você esta mentindo igual a ele”, disse Pezão, questionando o dado apresentado por Crivella, e associando-o ao ex-governador Anthony Garotinho (PR), adversário de ambos no primeiro turno, e, agora, aliado do senador.

Pacto durou pouco – Crivella voltou a citar o encontro entre secretários do governo Cabral e empresários, em Paris, onde foram fotografados em uma comemoração, usando guardanapos na cabeça. O senador fora perguntado sobre segurança, quando atacou: “A questão da segurança depende muito de um governador não estar em escândalos, de um governador não ir fazer dança na boca da garrafa ou com guardanapo na cabeça em Paris, se promiscuindo com empresários. Porque se não, você não tem moral. A Polícia Militar, parte expressiva dela, virou milícia. Vocês perderam o controle. Precisamos mudar a política que está aí. A mudança é tirar o PMDB”, disse Crivella.

“Você (Crivella) é testa de ferro do Edir Macedo” - Pezão reagiu, usando a estratégia central de sua campanha no segundo turno: associar Crivella ao fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, bispo Edir Macedo: “Perguntei sobre segurança e você veio com ataques. No meu governo, mando eu. O espelho da corporação vai ser eu. Você quer botar o bispo Macedo, de quem você é testa de ferro. Você falou de tudo, menos de segurança. A tropa vai ser meu espelho. Aqui não vai ter Edir Macedo nem testa de ferro, que você é”, disse o governador.

Clima bélico – Daí para frente, o clima do debate, dividido em três blocos, se tornou bélico. Crivella devolveu, em tom jocoso, com uma acusação: “Pezão, infelizmente você perdeu o juízo. Você não quer discutir política com corrupção, porque sabe que você faz parte de um governo corrupto. E quer misturar com religião. Se sou testa de ferro do Macedo, se ele tem tanto poder, porque que não botou dinheiro na minha campanha? Por que eu tive que andar e dirigir sozinho na minha campanha? Por que minha campanha foi tão sem recurso, por que eu não tive dinheiro para comprar 17 partidos, dar estrutura a eles, como fez o Pezão?”, indagou Crivella.

Casas da família Crivella nos Eua - O governador fez ataques ainda mais diretos, ao falar dos imóveis da família do senador no exterior (sua mulher, Sylvia Crivella, tem dois apartamentos em Miami, nos Estados Unidos), e de supostas contas em paraísos fiscais. Pezão sustentou que, como engenheiro da Emop, ele não teria renda para ter as supostas contas e para ter comprado um canal de TV. Na época, Crivella ainda não era senador. “É importante você me respeitar, porque tenho 32 anos de vida pública e sou ficha limpa, como você. Você que tem que explicar por que você tinha contas e empresas em paraísos fiscais. Explicar como comprou um canal de TV com o salário da Emop”, disse Pezão.

O senador sustentou que a investigação em torno da empresa fora arquivado, segundo ele, “há mais de 25 anos”. Disse ainda que Pezão teria sido citado na operação Lava-Jato, que investiga escândalos na Petrobras. “Imagine eleger um governador e amanhã ou depois ter problemas na Polícia Federal, com contas descobertas no exterior. Você que está pregando o ódio, você que começou neste debate me chamando de mentiroso”, acusou Crivella.

Ao citar as casas da família do adversário no exterior, o governador afirmou que tem apenas uma conta bancária. E pediu novamente explicações ao senador: “Você que tem que explicar porque não está na sua declaração do Imposto de Renda o empréstimo que você pegou no Banco do Brasil para comprar residências no exterior. Você representa a organização Universal. É um perigo para este estado ter os programas sociais e as verbas todas no controle do bispo Macedo, que você representa”, disse Pezão.

Em resposta à pergunta de Pezão sobre transporte público, Crivella disse que, caso eleito, vai tirar das agências reguladoras indicações de políticos. Crivella voltou a dizer que há influência “enorme” dos empresários na classe política. Crivella citou o caso de coronéis do Estado Maior envolvidos em esquemas de cobrança de propina. “Parte da polícia, não toda, virou milícia”.

As UPPs, principal vitrine do governo que Pezão herdou de Cabral, foram alvejadas pelo senador, logo no primeiro bloco. Ao responder a pergunta de Pezão sobre as unidades de Pacificação, Crivella atacou: “A UPP deve continuar, mas não pode sofrer por ambições eleitoreiras, pelo desespero por voto”, opinou Crivella. Já Pezão prometeu continuar com a instalação e UPPs em diversos pontos do estado.

Detector de mentiras? - No terceiro bloco, dedicado às considerações finais, foi marcado por um som estridente de um alarme, que disparou disparou duas vezes no estúdio. Primeiro na volta do intervalo. E, em seguida, interrompendo as considerações finais de Pezão. Os convidados começaram a gritar, como numa torcida, e foram repreendidos pela apresentadora. Nas redes sociais alguns gaiatos afirmaram que se tratava de um detector de mentiras.

Fonte: O Globo 

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Datafolha e Ibope mostram Pezão com 10 pontos à frente de Crivella

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (23) mostra os seguintes percentuais de intenção de votos válidos na corrida para o governo do Rio de Janeiro no segundo turno:

Luiz Fernando Pezão (PMDB) – 55%
Marcelo Crivella (PRB) – 45%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos em branco, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

Votos totais - Se forem incluídos os votos em brancos e nulos e os dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:

Luiz Fernando Pezão (PMDB) – 46%
Marcelo Crivella (PRB) – 38%
Em brancos/nulo/nenhum – 10%
Indecisos – 6%

Número para confirmar ou anular o voto - Foi perguntado aos eleitores qual o número eles vão digitar na urna eletrônica para confirmar ou anular seu voto para governador. A pesquisa mostra o seguinte resultado:

Menções corretas: 72%
Não sabe o número do candidato: 23%
Menções incorretas: 3%
Não sabe como anular o voto: 3%

Decisão de voto - Apresentados os dois candidatos que estão na disputa pelo governo do Rio, a pesquisa perguntou aos eleitores sobre sua decisão de voto. Os percentuais são os seguintes:

Luiz Fernando Pezão: 

Votaria com certeza: 41%
Talvez votasse: 22%
Não votaria de jeito nenhum: 36%
Não sabe: 1%

Marcelo Crivella: 

Votaria com certeza: 36%
Talvez votasse: 21%
Não votaria de jeito nenhum: 42%
Não sabe: 1%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 23 de outubro, com 1.554 entrevistados em 38 municípios. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de três pontos prevista. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número RJ-00075/2014 e BR-01162/2014.

Pesquisa – Ibope 

Pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (23) também mostrou Pezão com 55% contra 45% de Crivella.

Votos Válidos:

Luiz Fernando Pezão (PMDB) – 55%
Marcelo Crivella (PRB) – 45%

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo. No levantamento anterior do instituto, divulgado na segunda-feira (20), Pezão tinha 56% e Crivella, 44%.

Votos totais

Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:

Luiz Fernando Pezão (PMDB) – 46%
Marcelo Crivella (PRB) – 37%
Branco/nulo – 12%
Indecisos – 5%

O Ibope fez a pesquisa entre os dias 20 e 22 de outubro. O instituto ouviu 2002 eleitores. A margem de erro é de dois pontos, para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral com o número RJ-00076/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo BR 01164/2014.

Fonte: G1

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Ibope e Datafolha: Dilma cresce e consolida liderança

Pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (23) aponta os seguintes percentuais de votos válidos no segundo turno da corrida para a Presidência da República:

- Dilma Rousseff (PT): 54%
– Aécio Neves (PSDB): 46%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.
A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “O Estado de S. Paulo”.

Votos totais

Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:

- Dilma Rousseff (PT): 49%
– Aécio Neves (PSDB): 41%
– Branco/nulo: 7%

- Não sabe/não respondeu: 3%

No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 15, Aécio tinha 51% e Dilma, 49%.

Rejeição - O Ibope perguntou, independentemente da intenção de voto, em qual candidato o eleitor não votaria de jeito nenhum. Veja os números:

Aécio – 42%
Dilma – 36%

Expectativa de vitória - O Ibope também perguntou aos entrevistados quem eles acham que será o próximo presidente da República, independentemente da intenção de voto. Para 51%, Dilma sairá vitoriosa; 38% acreditam que Aécio ganhará; 10% não sabem ou não responderam.

1º turno - No primeiro turno, Dilma teve 41,59% dos votos válidos e Aécio, 33,55%.

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (23) aponta os seguintes percentuais de votos válidos no segundo turno da corrida para a Presidência da República:

- Dilma Rousseff (PT): 53%
– Aécio Neves (PSDB): 47%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

A pesquisa foi encomendada TV Globo e pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

De acordo com o Datafolha, a presidente Dilma Rousseff (PT) tem uma vantagem inédita sobre Aécio Neves (PSDB) no segundo turno da eleição presidencial. No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 22, Dilma tinha 52%, e Aécio, 48% dos votos válidos.

Votos totais: 

Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:

- Dilma Rousseff (PT): 48%
– Aécio Neves (PSDB): 42%
– Branco/nulo/nenhum: 5%
– Não sabe: 5%

O Datafolha ouviu 9.910 eleitores em 399 municípios nos dia 22 e 23 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de dois pontos prevista. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01162/2014.

Certeza do voto - O Datafolha também perguntou, entre os dois candidatos, em quem os eleitores votariam com certeza, em quem talvez votassem e em qual não votariam de jeito nenhum. Veja os números:

Dilma
46% – votariam com certeza
15% – talvez votassem
37% – não votariam de jeito nenhum
1% – não sabe

Aécio
39% – votariam com certeza
18% – talvez votassem
41% – não votariam de jeito nenhum
2% – não sabem

 Fonte: G1

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Garotinho quer Crivella no ataque

Se o senador Marcelo Crivella (PRB) já acenou com uma “bandeira branca”, prometendo um debate mais propositivo nesta quinta-feira, na TV Globo, o seu aliado, Anthony Garotinho (PR), avisa que não é hora de mudar o tom. Segundo Garotinho, Crivella tem que continuar no ataque. “Hoje e amanhã serão os últimos dias de propaganda eleitoral na televisão. Logo mais, a Globo transmite o último debate entre Crivella e Pezão. É a hora da decisão. Crivella tem que aproveitar bem essas últimas oportunidades e continuar revelando a verdade sobre Pezão e sua ligação com Cabral”, sugere Garotinho.

Na visão de Garotinho, Crivella deve explorar o nervosismo der Pezão. “Pela performance dos debates anteriores Crivella fica mais tranquilo que Pezão, que não consegue esconder o nervosismo. Crivella deve explorar isso. A audiência do debate será com certeza a maior entre todos os debates, além de que terá uma influência grande sobre indecisos”, completou.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Campista atuou como “bombeiro” na rixa entre Ronaldo e Romário

As articulações visando a aliança entre o tucano Aécio Neves e o senador eleito Romário (PSB), contaram com a participação do campista Sergio Barcelos, o Serginho, que durante muitos anos esteve ao lado do deputado federal Anthony Garotinho (PR) e agora integra a tropa de elite do Baixinho Romário. Diante da “birra” de Ronaldo, que é aliado de Aécio e andava chateado com Romário, Serginho entrou no circuito, colocou a “bola no chão” e acalmou os ânimos. Logo depois, Romário gravou dois vídeos que serão usados na reta final da campanha de Aécio. Hoje (23), no Rio, Aécio deve organizar um ato para selar publicamente a aliança.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Pezão: “Acho que ele (Crivella) está ficando desesperado”

O governador Luiz Fenando Pezão chamou de “desespero” os últimos ataques do adversário, Marcelo Crivella (PRB), na corrida eleitoral pelo Palácio Guanabara. O oponente chegou a dizer, durante comício em Campos, que Pezão fez parte de escândalo na Petrobras. ”Esses ataques a quatro dias das eleições valem muito pouco. Estamos na reta final e eu acho que ele está ficando um pouco desesperado. O resultado da pesquisa que ele contratou nao está se confirmando”, afirmou Pezão, possivelmente se referindo ao instituto Gerp, que tem divulgado pesquisas favoráveis ao candidato do PRB.

Fonte: O Dia 

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Crivella promete debate “sem baixaria”

Após disparar forte contra o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), ontem (21), em Guarus, o senador Marcelo Crivella (PRB) acenou com uma “bandeira branca” nesta quarta-feira (22). Ele acredita que o clima de beligerância visto entre ele e o adversário não deve se repetir no debate da TV Globo, marcado para amanhã (23), após a novela “Império”. Os debates entre os dois foram marcados até aqui por acusações de corrupção e vínculo entre política e religião.

Segundo Crivella, desta vez sua intenção não é entrar em um embate com Pezão. As trocas de acusação deram o tom dos debates da revista “Veja” e da rádio “CBN”, principalmente. “Vou para apresentar as minhas propostas. Acho que vai ser um debate duro, mas espero que sem baixaria”, disse.

O senador decidiu centrar sua campanha no interior do estado na reta final. Nesta terça-feira, ele fez corpo a corpo no comércio de Bacaxá, em Saquarema, na Região dos Lagos, após passar por Nova Friburgo, na Região Serrana. Ainda estão previstas passagens por São Pedro da Aldeia, Araruama, Cabo Frio e Iguaba Grande.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Aécio liga para Romário e coloca Ronaldo no “banco”

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, vestiu a braçadeira de capitão e entrou em campo para acabar com a rixa entre Romário e Ronaldo Fenômeno, que estaria atrapalhando a aliança. Aécio ligou diretamente para Romário e disse que prefere ficar com o senador eleito pelo PSB do Rio com 4,5 milhões de votos. Ou seja, em, caso de disputa entre os dois, quem vai para o “banco” é o Fenômeno.

O Baixinho respondeu que topa gravar para o programa eleitoral do tucano, desde que ele inclua no seu programa de governo a implantação de uma rede para diagnóstico e tratamento de pessoas com deficiências e doenças raras, a moralização do futebol e uma efetiva política de combate ao crack.

Aécio já aceitou as exigências e, como diz um político tucano, a bola está na pequena área, restando a Romário apenas tocá-la para o gol.

Ronaldo fez birra - O senador eleito já havia acenado com o apoio ao presidenciável do PSDB. Mas um interlocutor procurou Ronaldo Fenômeno, sábado à noite, para combinar como o anuncio da decisão seria feito. Mas Fenômeno, que está com Aécio desde o início da campanha, disse que, antes, Romário deveria lhe pedir desculpas, já que andava falando mal dele.

Marrento como sempre, o Baixinho, claro, não apareceu na caminhada dos tucanos, no dia seguinte, na Praia de Copacabana.

Fonte: Extra, Extra/Berenice Seara 

Atualização às 19h – Fechado - Aécio conseguiu fechar o apoio de Romário. Na tarde desta quarta-feira, em Brasília, Romário gravou dois vídeos que serão exibidos no programa de TV de Aécio. No maior deles, de quase 40 segundos, o senador eleito reforça o discurso de mudança do candidato de oposição. No outro, numa fala de 15 segundos, Romário cita os compromissos assumidos por Aécio para ter seu apoio: a causa das pessoas com deficiências e doenças raras e a moralização do esporte.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Rosinha: “Se Aécio ganhar as parcerias acabam”

Facebook/Maninho Azevedo

A prefeita Rosinha Garotinho (PR) entrou de cabeça na campanha da presidente Dilma Rousseff (PT). Ontem (21), durante comício no Jardim Carioca, em Guarus, ela citou parcerias da Prefeitura com o governo federal, disse que o desgaste por conta do mensalão “caiu no colo da Dilma” e afirmou que a vitória do tucano Aécio Neves representa um risco aos campistas. ”Das creches que construí, oito foram com recursos do governo federal. Foram 12 unidades de saúde, quadras cobertas nas escolas, banco de sangue, muitas parcerias. Se o Aécio ganhar, as parcerias acabam. Como com o governo estadual. O governo do estado não honra suas obrigações que tem com a cidade. Vou entregar 10 mil casas populares sem ajuda do estado. Pois se tivesse, entregaria mais”, discursou Rosinha.

Saia justa - Apontado pela prefeita Rosinha como um risco para o município de Campos, o PSDB é seu aliado na cidade. Inclusive, o vice-presidente do partido em Campos, o tucano Robson Colla, é gerente do Centro de Informação e Dados de Campos (Cidac). E agora, será que os tucanos da planície vão rebater a declaração da prefeita?

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
Copyright © 2010 - Folha da Manhã - Todos os direitos reservados