Arquivos

Professores dispensam intermediários: “Queremos negociar com Rosinha”

Facebook/Carlos Faria Café

Após uma grande manifestação na Praça São Salvador, os professores grevistas partiram em direção ao Cesec e, neste momento, cobram uma audiência com a prefeita Rosinha Garotinho (PR). “Chega de intermediários, queremos falar e negociar diretamente com a prefeita eleita”, dizem as professoras, que não cogitam a possibilidade de conversar com os secretários de Governo (Garotinho) e Administração (Fábio Ribeiro).

No grupo, que neste momento está dentro do pátio da Prefeitura, há quem cogite usar uma estratégia bem conhecida pela prefeita de Campos: acampar até a vitória.

Cadê a prefeita que estava aqui? – Como o blog informou na noite de ontem (21), a última aparição da prefeita Rosinha no site oficial da Prefeitura já tem oito dias. Na ocasião, ela entregou quimonos a atletas de taekwondo (aqui).

Mais informações na Folha Online: aqui 

Facebook/Carlos Faria Café

Atualização às 18h50 - Manifestantes montaram uma barraca e estão acampados no Cesec. Na barraca, a frase “Somos todos *”, que faz menção pedido do secretário de Educação para marcar, com asteriscos, os professores grevistas.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Wladimir reúne sua “tropa” e reflete: “na dificuldade que crescemos e aprendemos”

O empresário e ex-presidente do PR em Campos, Wladimir Garotinho, reuniu sua tropa e publicou uma foto no Facebook com a seguinte reflexão: “Fiquei muito feliz em receber a visita e o carinho desse grupo de amigos. Mais uma vez obrigado por tudo, é na dificuldade que crescemos e aprendemos”.

Na foto estão diversos nomes que devem disputar cadeiras na Câmara de Campos em 2016, como Charles Guerreiro, Jubiraca, Vinícius Madureira, Amélia, Hendrigo, Serginho Bigode, Osni Xavier, Dudu de Custodópolis, Carlos Alberto Canaã, Jairinho Show, Paulo Arantes e Silvinho, filho da vereadora Dona Penha.

Esta é apenas uma parte do time. Outros pré-candidatos deverão fazer uma visita na próxima semana. Entre eles, Alonsimar, Kellinho Povão, Paulinho Camelô, Léo de Morro do Coco e Carlinhos do Parque Guarus.

Aos poucos, Wladimir fortalece uma espécie de “rolo compressor” alternativo, com lideranças de várias partes do município.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Rosinha cancela folia e carnavalescos cobram 50% da subvenção

Após a Prefeitura adiar o Carnaval fora de época, a Liga Independente das Escolas de Samba de Campos (Liescam) vai enviar ofício para a Fundação Zumbi dos Palmares, responsável pelo repasse de verbas, solicitando pelo menos 50% de subvenção. Os carnavalescos não informaram o total do prejuízo. Através de nota, o governo municipal alegou que a atual crise econômica do país fez com que o município tomasse essa decisão.

Em entrevista ao G1, Marcelo Velasco, vice-presidente da Liescam, desabafou: “Fizemos muitas dívidas. Estamos com o nosso Carnaval pronto e precisamos de pelo menos 50% da verba que seria repassada às escolas. Foram feitas compras, a gente leva um ano para preparar o desfile”.

E as outras festas, serão canceladas? - A notícia do cancelamento foi recebida com choro nos barracões, segundo Velasco. De acordo com ele, os carnavalescos acham justo que a prefeitura suspenda também as Festas do Fundão, Coesa e São Salvador. “Se não pode ter Carnaval, também não vai poder ter outra festa. Se tivéssemos certeza que a crise acabaria com o Carnaval cancelado, eu mesmo teria conversado com os carnavalescos para suspender a festa este ano. Estamos impedidos de levar alegria para a população de Campos. É muito triste”, disse o vice-presidente da Liescam, informando que os desfiles dos bois pintadinhos, que ocorreria em agosto, também foi cancelado.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Após empurrar carnavalescos com a barriga, Prefeitura cancela Carnaval

Cepop, que custou R$ 100 milhões, não vai ter samba em 2015

Em janeiro deste ano o então deputado Anthony Garotinho (PR) sugeriu a suspensão do Carnaval fora de época, que na ocasião estava marcado para os dias 01, 02 e 03 de maio (aqui). Dias depois, os rosáceos começaram a empurrar os carnavalescos com a barriga. Segundo os membros do governo, a ideia era buscar parcerias e manter o evento, que em edições anteriores, na época das vacas gordas, contou com escolas de samba do Rio, shows nacionais e cachês para Milton Cunha e Viviane Araújo.

Em março, a Prefeitura publicou um  “chamamento público com o objetivo de captar recursos financeiros”. Na época, já como secretário de Governo, Garotinho disse: “Soube que a Ambev estaria interessada. Não sou contra o Carnaval, mas na minha opinião a festa só poderia acontecer com patrocínio”.

No dia 26 de março, sem patrocinadores definidos, o blog informou que a ideia da Prefeitura era empurrar o Carnaval para junho (aqui). Um dia depois, a informação foi confirmada. Além disso, o governo teria informado aos carnavalescos a necessidade de cortar 25% da verba que seria destinada as escolas e blocos.  E assim o governo continuou empurrando os carnavalescos com a barriga.

Agora, ainda sem patrocinadores, os rosáceos resolveramcancelar o Campos Folia. Hoje (22), um editorial publicado no jornal “O Diário” diz que realizar o Carnaval em tempos de crise seria como “entrar em um velório cantando samba”.

Recentemente, dois amigos me procuraram para dizer que alguns carnavalescos estariam revoltados comigo por conta de postagens sobre o Carnaval fora de época. Ou seja, depois disso tudo ainda tinha gente disposta a tirar o corpo fora para jogar na conta e alguém a falta de planejamento e de sinceridade do governo. Também é importante destacar que a mistura entre política e Carnaval foi extremamente prejudicial, já que na hora do aperto a falta de independência impediu uma cobrança mais firme.

O mesmo governo que construiu um sambódromo de R$ 100 milhões e, nos últimos anos gastou uma fortuna com shows nacionais e pagou caro por desfiles de escolas de samba do Rio, não teve a capacidade de fortalecer as escolas e blocos locais. E quando digo fortalecer, não me refiro aos recursos financeiros que são repassados, mas sim a um trabalho sério de capacitação dos profissionais e auxílio na busca por alternativas.

Não tem dinheiro? - A crise é real e não há o que se discutir, mas o governo não cumpriu a promessa feita aos carnavalescos porque não quis. Quer um exemplo? Só a empresa Working, que faz de tudo um pouco, faturou mais de R$ 1,2 milhão em duas semanas, com aluguel de banheiros químicos e ações de “manutenção” e “recuperação”. Mais um exemplo: em março, só pelo aluguel de um caminhão banheiro, a Prefeitura pagou mais de R$ 370 mil. Isso sem falar no aditivo de R$ 1,2 milhão que a Imbeg recebeu.

Atualização às 13h50 - Matéria publicada pela Folha (aqui) confirma cancelamento do Carnaval fora de época. De acordo com a Prefeitura, os carnavalescos devem se reunir na noite desta sexta-feira (22) para discutir e apresentar proposta viável para a Prefeitura,  priorizando a captação de recurso de patrocínio privado para a realização do carnaval no próximo ano.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Blindada

Enquanto os secretários de Governo (Garotinho), Administração (Fábio Ribeiro) e Educação (Frederico Tavares) chamam a “briga” para eles e informam que os professores grevistas terão seus pontos cortados, a prefeita Rosinha Garotinho (PR), eleita em 2012, no primeiro turno, com 167.615 votos, não se manifesta sobre os temas polêmicos que envolvem o seu governo. Sua última aparição no site da Prefeitura foi há uma semana, quando entregou quimonos a atletas de taekwondo (aqui).

No início deste mês, ela chegou a entrar no onda do “passinho” (aqui).

Blindada, a prefeita Rosinha só deve participar de agendas positivas nos próximos meses.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Caiu na rede: vídeo mostra escolas precárias

Em 2008, a então candidata Rosinha afirmou em seu plano de governo: “Assumo o compromisso de implantar ações que dinamizem o setor educacional para, em quatro anos, obtermos as primeiras colocações nas avaliações do MEC”. Além disso, a então candidata afirmou que os professores teriam uma excelente estrutura para trabalhar.

Seis anos e meio depois, um vídeo publicado no Youtube mostra paredes mofadas, obras paradas, sujeira, desorganização, entulhos, lama, portas quebradas, fios expostos, pisos soltos, cadeiras improvisadas, entre outros problemas. Clique na imagem abaixo para ver o vídeo:

CLIQUE PARA VER O VÍDEO

Na propaganda, escolas e creches estão impecáveis – Se no vídeo acima as escolas não vão nada bem, o mesmo não pode ser dito sobre as escolas que aparecem na propaganda do governo. Em um vídeo publicado no canal da Prefeitura no YouTube, a avó de uma aluna diz que a creche “parece até particular”. Na propaganda, as escolas e creches estão impecáveis.

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Garotinho ameaça: “grevistas da Educação terão dias descontados”

 

Durante programa de rádio na manhã desta quinta-feira (21) o secretário de Governo da Prefeitura de Campos, Anthony Garotinho, avisou que não é contra a greve, mas os grevistas da Educação terão os dias descontados e vão perder a regência. “Durante as reuniões os membros do Sepe estão dizendo que os professores não tem nada a perder porque o ponto deste mês já foi encaminhado. Porém, vamos rever isso. Os três dias serão descontados, assim como a regência. Não sou contra a greve, mas fica nítido que se trata de um movimento político”, disse Garotinho, que apontou as professoras Odete Rocha, Odisséia Carvalho e Graciete Santana como principais articuladoras do movimento. “São professoras que estão sempre disputando eleições”, alegou.

Segundo o secretário de Administração Fábio Ribeiro, as diretoras as escolas irão encaminhar os nomes dos profissionais que paralisaram suas atividades. “Quem paga os professores não é o Sepe,mas sim o cidadão. Estamos abertos ao diálogo, mas não vamos deixar de tomar as medidas cabíveis”, afirmou Fábio, ressaltando que, do ponto de vista jurídico, “o movimento é ilegal”.

De acordo com Fábio, além de contar com salário acima do piso nacional, a categoria foi a primeira a ser contemplada com a implantação do Plano de Cargos e Salários, em 2010, benefício que agora foi estendido aos demais servidores. “O governo também fez uma proposta para dobrar a regência, com tolerância de três dias de falta justificada, revisão do Plano de Cargos e Salários, plano de saúde com Caixa de Assistência e uso de Cartão Educação para substituir o Rio Card”, disse. 

Greve mantida - Professores municipais decidiram, em assembleia no final da tarde de ontem (20), manter a greve de ocupação, com assinatura de ponto nas escolas, até amanhã (22), quando haverá um ato seguido de uma nova assembleia para definir os rumos do movimento. Na manhã de ontem, professores do Centro Educacional 29 de Maio protestaram em frente à unidade. De acordo com a diretora do Sepe, Norma Dias, a adesão dos profissionais de educação ao movimento chegou a 95%.

Saiba mais sobre a greve: aqui 

 Atualização às 16h15 – Diretora rebate declaração de Garotinho - Em postagem no Facebook, compartilhada na página do Sepe, a professora Norma Dias rebateu as declarações de Garotinho sobre o sindicato não representar a categoria. Segundo Garotinho, são 116 professores filiados ao Sepe e 1.645 filiados ao Siprosep. Veja a postagem:

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Por conta de “incerteza econômica”, Câmara devolve LDO e adia audiência

Estava marcada para a próxima quarta-feira (27), na Câmara de Campos, uma audiência pública para debater a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) referente ao exercício financeiro de 2016.

Porém, alegando “incerteza das políticas macroeconômicas do país”, a Prefeitura solicitou a devolução da proposta “para que sejam procedidas pertinentes adequações”.

Criada pela Constituição Federal de 1988, a LDO contém as principais metas a serem levadas ao Orçamento no próximo ano. Edson Batista assinalou ainda que “a audiência é obrigatória pois é a LDO quem vai orientar os investimentos que o município fará no próximo ano”, explicou.

Previsões sombrias - Ontem (20), diversos secretários municipais se reuniram e foram informados sobre as previsões sombrias para os próximos meses. Na manhã desta quinta-feira (21), o secretário de Governo Anthony Garotinho avisou que o governo “terá que tomar medidas duras nos próximos dias”.
Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

Auxiliadora pede mudança no plano de cargos e salários dos professores

A vereadora Auxiliadora Freitas (PHS) apresentou esta semana na Câmara de Campos uma proposição na forma de Indicação ao Poder Executivo solicitando que fossem modificadas as regras que regulamentam a progressão e promoção dos profissionais do magistério da Educação Básica Municipal. A alteração solicitada por Auxiliadora pretende garantir mais direitos aos profissionais do magistério, bem como estender o enquadramento aos servidores inativos.

O principal ponto a ser alterado, segundo a solicitação, seria a redução do prazo de interstício mínimo entre uma promoção horizontal e outra. Atualmente, a regra estabelece o período de 4 anos. Auxiliadora entende que o prazo deve ser de dois anos. “Tal medida é necessária por razões de equidade e isonomia entre os profissionais do magistério público e os demais servidores públicos do Município, uma vez que, por força do art. 21, II, da Lei 7.346/2002 (Plano de Cargos e Salários da Prefeitura Municipal) já vigora este prazo razoável de 02 (dois) anos, devendo ser estendido àqueles profissionais da educação. Considerando a recente Lei Municipal nº 8.644 de 2015, que implementa definitivamente o enquadramento de todos os servidores ativos da municipalidade, entendo não não pode haver diferenças de prazo mínimo de uma categoria de servidores para outra”, justifica.

Outro importante pedido de Auxiliadora se refere à inclusão, nos enquadramentos e progressões dos profissionais do magistério, daqueles que também desempenhem funções pedagógicas, de suporte técnico e administrativo no âmbito da Secretaria Municipal de Educação e das demais unidades escolares. “Estou pedindo que a promoção também será concedida aos profissionais do magistério readaptados e àqueles que desempenham funções pedagógicas, de suporte técnico ou administrativo, no âmbito da Secretaria Municipal de Educação e das unidades escolares da rede pública, independentemente da regência em sala de aula, além daqueles que exerçam funções como cedidos em outros órgãos a bem do serviço público”, afirmou Auxiliadora.

A proposta foi apresentada na forma de Indicação por se tratar de matéria cuja prerrogativa constitucional de iniciativa é do Poder Executivo. A Mesa Diretora da Câmara encaminhará os pedidos na forma de ofício à chefia do Poder Executivo.

Fonte: Ascom/Auxiliadora

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites

TRE-RJ suspende repasse do fundo partidário ao PR de Campos

As contas do exercício financeiro de 2012 do diretório municipal do Partido da República (PR) em Campos dos Goytacazes foram julgadas desaprovadas, na sessão desta quarta (20). A decisão do TRE-RJ confirma a sentença da 75ª ZE e impede que os diretórios nacional e regional do partido repassem cotas do fundo partidário à agremiação por um ano, de acordo com a legislação eleitoral vigente.

Os membros do TRE-RJ rejeitaram as contas, após a comprovação de que o partido recebeu contribuições e doações de fontes vedadas por lei, de pessoas ocupantes de cargos em comissão ou funções da Administração Direta, Indireta e Fundacional que têm a condição de autoridade, como secretário municipal, presidente de Fundação ou de Empresa Pública, conforme análise das folhas de pagamento do município, que discriminaram os valores recebidos indevidamente, bem como identificou os doadores.

Fonte: Ascom/TRE

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
Copyright © 2010 - Folha da Manhã - Todos os direitos reservados